sábado, 4 de abril de 2015

O Lápis e a Borracha




Um não sobrevive sem o outro. Foram feitos um para o outro. Lápis e borracha. O lápis foi feito para ser consertado, para ser apagado - mesmo deixando uma ou outra mancha aqui e ali. A borracha foi feita para deixar a palavra mais bonita, um trecho esquecido, para consertar coisas.
Há pessoas, situações, coisas, ou momentos, que são como o lápis: foram feitas para ser consertadas, e se não for possível, serem apagadas: da memória, da lembrança, da vida. 
A mesma coisa vale para a borracha: há pessoas, momentos, e coisas que apagam o mal que fez a pessoa-coisa-momento-lápis e seus borrões indescritíveis que nada são, nem ninguém entende.
Não desmereço o lápis, não mesmo! Ele serve como aprendizado puro - aprender é bom, mesmo que doa às vezes. Deve ser por isso que crianças começam a escrever com o lápis - ele serve para ser apagado pela borracha, e reconstruído com mais força.
Assim é na vida, sempre tendo que ser reconstruída com mais força.

Paolla Milnyczul

Nenhum comentário:

Postar um comentário