terça-feira, 8 de outubro de 2013

Para a Pestinha Predileta

A coisa mais difícil do mundo é escrever para pessoas especiais. Pois pessoas especiais são completas e complexas. Pessoas especiais são difíceis de descrever e para escrever pra elas, eu me exijo demais e sempre acho que nunca está bom o suficiente. Mas esta pessoa é especial demais pra deixar passar em branco. Esta pessoa especial trabalha pra dedéu, mora em São Paulo, pega trocentas conduções para ir ao trabalho, tem filhas lindas, trabalha pra caramba, e mesmo assim vive com palavras alegres, sorriso no rosto e fé na vida. Escreve lindo, mesmo sem saber que escreve lindo. Te liga pra saber se você está bem do nada, no final do dia, com voz rouca e cansaço à flor da pele. Esta pessoa se surpreende consigo mesma todos os dias. 
Tenho poucas pessoas especiais na minha vida. Ela é uma delas. É menina travessa que tem mais de trinta anos. É daquelas que tem lugar no coração. É gente fina,elegante e sincera. É gente que dá o ombro e estende a mão. É gente que pede ombro e chora no colo. É gente que eu chamo de tia só para provocar e ela leva na boa. É gente de bem com a vida, agradecida pelos dias que se sucedem, que torce por quem gosta, esteja perto ou longe. 
É gente que sabe que a vida é difícil, mas com leveza e sorrisos se torna mais fácil. É gente que entende a gente. Que está no coração. 

É gente que sabe (e entende) o poder de um sorriso.
Tia Naty, te amo amiga. 
Minha pestinha predileta. 

Paolla Milnyczul


Nenhum comentário:

Postar um comentário