sábado, 10 de novembro de 2012

Como em "Up!"

Já que eu "não tenho" boca pra falar, eu tenho meu coração pra escrever. Pois é com o coração que se escreve. E eu escrevo hoje pra você. Você, Alexandre, meu amor. Pra você, eu peço desculpas. Por tudo e por nada que fiz. Por todas as vezes que falei e todas as vezes que eu não falei. Por mágoas passadas ou recentes, por qualquer coisa que eu fiz que um dia possam ter te ferido ou magoado. 
É, menino, eu te amo. E nunca deixei de amar. Em nenhum minuto, nunca deixou de fazer sentido tudo aquilo que eu sinto por você. Que é tão grande e largo e estranho, porque você foi aquele que me fez SENTIR de verdade tudo que há pra sentir. Parece pouco e pequeno mas é muito. Vindo de mim, é muito. O porque você já sabe e eu não preciso repetir. 
Eu não falo porque pra mim é difícil, assim como foi difícil pra você há tanto tempo atrás, você se  lembra? Mas você mudou e hoje em dia você fala o que vai aí dentro de você. Pois te prometo, começarei a te falar, a ser mais explícita, a tentar extravasar o que vai aqui dentro em palavras faladas ao pé do ouvido e desfazer o bolo que vai na garganta e entope a vida.
Eu não sei demonstrar sentimentos, quando estou feliz ou triste, mas é que não sou explícita, e só sei explodir na emoção POR DENTRO! Eu, dona da razão, não sei lidar com sentimentos quando eles são meus. Dou conselhos e não os sigo. Eu sou dona do meu destino, e meu destino é você. Sempre foi, sempre será, sempre haverá de ser. 
Eu peço que você venha comigo. Vamos nos casar em Las Vegas, nos beijar nas Bahamas, e nos amar em Bangladesh. Seguir nosso caminho pintado deste amor que era pra ser e aconteceu, e é tanto amor que não cabe aqui, e eu transbordo e bordo estas palavras agora no auge de uma emoção disfarçada - estou agora cara a cara com você. Vem, vamos seguir nosso caminho de rosas brancas de PAZ e vermelhas de AMOR, que começou há tanto tempo atrás. Não quero ficar sem você. De você, eu bebo. Eu recebo. Você á a minha fonte. É em você que eu quero estar. Ser. E viver. Viver pra sempre, ficar velhinhos e comparar rugas e cicatrizes. Como em "Up - Altas Aventuras!", você já é a minha maior aventura. 

Eu, que não gosto de demonstrar qualquer tipo de falha ou fraqueza, como se fosse um ser intocável, e que não sabe balancear razão e emoção, hoje estendo a minha mão e te peço perdão.

(Perdoa?).

Sua,

Paolla.

"O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca perece; mas as profecias desaparecerão, as línguas cessarão, o conhecimento passará."

1 Coríntios 13:4-8


5 comentários:

  1. LINDO!

    O perdão é, depois do amor, o mais belo dos sentimentos.

    Michelle.
    www.sobreoinsolito.com

    ResponderExcluir
  2. Quanto amor e quanta doçura! Estou encantada, assim como me encantei com o filme [e apaixonei].

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Vocês devem formar um casal lindo!
    Amei o texto!

    ResponderExcluir