domingo, 26 de agosto de 2012

O Amor Não é Perfeito


Não sei se sou só eu, mas tenho percebido como as pessoas – principalmente as mulheres – hoje em dia estão cada vez mais carentes, sempre a espera de alguém que nunca chega. E pensando e repensando cá com meus botões, creio que o problema é que romantizamos demais o amor, os relacionamentos e as pessoas. Ficou tudo muito lindo, muito limpo, muito fofo, muito delicado, muito idealizado, muito impossível. 
As pessoas estão carentes devidos aos tsunamis de amores e relacionamentos idealizados de contos de fadas. E o que acontece é que acabam esperando este tipo de amor na vida delas. As mulheres esperam seu “príncipe encantado” desesperadamente e têm milhões de exigências quando a ele que devem ser cumpridas; os homens são mais realistas, mas no fundo, ainda esperam uma “princesa” de bochechas naturalmente rosadas que vai agradar à mãe assim que a conhecer.
Só que “príncipes encantados” e “princesas” não existem, meu bem. O que existe são pessoas. E pessoas erram, pessoas têm dias bons e ruins, espinhas, não são engraçadas todos os dias, nem tem o corpo perfeito e uma pele magnífica, e podem gostar de gêneros musicais diferentes dos seus, não acordam de bom humor todos os dias, tem seus dias de angústia, tristeza e mau humor, sofrem de TPM, problemas no trabalho, e não são como nos sonhos. 
Porém ambos, quando se deparam com essa verdade, desanimam (tá, nem todos!), pois simplesmente veem que as pessoas têm defeitos, erram, magoam, e nos decepcionam às vezes. Sendo assim, se o amor também não é perfeito, portanto, não era amor? Pelo menos é o que muitos – erroneamente – acham, desistem, e partem para outro “amor” idealizado por eles e não querem encarar a realidade que relacionamentos e pessoas perfeitas não existem. O problema é que nunca acham e de desiludem do ser humano em geral. 
E de quem é a culpa dessa carência amorosa fantasiosa? Nossa, única-e-exclusivamente nossa culpa, por exagerarmos no lirismo do amor e nos esquecermos de colocar um pouco de uma realidade palpável, um pouco do amor alcançável – que é o que acontece! De nos esquecermos de falar da realidade do que é um relacionamento de verdade, e não de contos de fadas. 
Então, minha gente, homens, mulheres, adultos, jovens e adolescentes que leem muito Romeu e Julieta, olha só: “Romeus” podem gostar de ver futebol e beber cerveja domingo à tarde em vez de ficar abraçado e vendo filme água com açúcar com você, menina. E “Julietas” podem gostar de rock, andar de calça jeans e all star e ter tatuagens ao invés de ficar em casa fazendo uma comidinha gostosa para você com as bochechas empoadas, garoto. (Aliás, podem ser péssimas cozinheiras.). Mas vejam além disso, e não desistam. Motivos para estarem juntos existem, explore-os. 
As pessoas com as quais nos relacionamos e queremos ficar juntos não são como queremos que sejam. São como elas são, e muito pouco irão mudar por você, sinto muito. Pessoas nos decepcionam, erram, são desaforadas, orgulhosas, e não vão fazer todas as suas vontades – acostume-se. Presta atenção, respeitar a pessoa como ela é sem tentar mudá-la é que é amar alguém de verdade! Prestou atenção? Provou um pouco da realidade? É assim que é. Pois creia, você também tem defeitos que desagradam o parceiro. (Sabia?). 
Colocamos o amor tão mais acima de outras coisas que contam tanto quanto o dito cujo, que as pessoas ficam confusas. E nem vem dizer que não acredito no amor. Eu acredito. Mas não na máxima que diz que ele é a base de tudo na vida. Amor não é base, amor é sentimento, e, devo dizer, dos mais nobres. E deve ser vivido, e não entendido. Pois não entendemos sentimentos, nós os sentimos e aceitamos. 
Base mesmo é respeito. Sem ele, sinto muito dizer isso meu bem, não se ama. Nutra o respeito por si e pelo próximo, e seja bem vindo à realidade: o amor não é perfeito.


Paolla Milnyczul


“É o amor que nos permite ser o que somos e que nos faz compreender as pessoas como elas exatamente são.” – Paulo Henrique Almeida


Conteúdo Protegido por Direitos Autorais.

8 comentários:

  1. Adoreii, e não pude deixar de lembrar que Amar é Punk ("Adeus expectativas irreais, adeus sonhos de adolescente. Ele vai esquecer todo mês o aniversário de namoro, mas vai se lembrar sempre que você gosta do seu pão-de-sal bem branco (e com muito queijo.") Fê Mello).

    Parabéns, sempre gosto de vir passear meus olhos, pensamentos e sentimentos por aqui. Adorei a citação :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Primeira vez, vindo aqui no seu cantinho... e me deparei com um texto extremamente forte e reflexivo.
    Atualmente o que mais incomoda nem é tanto a idealização do Amor, pelo menos pra mim, mas qd muitos sonham tanto com o encontro dele ( a pessoa, circunstâncias, etc) e na hora, numa fração de segundos, desistem. Não digo no sentido de encontrar as "princesas", as suas "Julietas", que convenhamos dizem não existem, e nem os "Romeus", apesar que podemos num dado momento dentro de uma realidade fictícia nossa, com os pés no chão, 'sonhar' digamos assim: eles com as "Julietas" e elas com seus "Romeus". O fato é que, alguns homens não sabem muito o que sentem, o que querem, o que desejam; ou quando encontram alguém que poderia os completar, saem à francesa. Um beijo,Fernanda.

    ResponderExcluir
  3. É exatamente por isso que a maioria dos relacionamentos não vai para frente. As pessoas tem essa idealização do amor, e quando surge e primeira discussão, a primeira diferença de pensamento, elas simplesmente desistem!
    Amei o texto! *--*

    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito da desconstrução que você fez de comportamentos ditos femininos e masculinos. Não devemos projetar nossos desejos estereotipados no outro. O outro só tem obrigação de ser ele mesmo. Essas questões diárias e cotidianamente chatas de um casal, principalmente quando se é casado assusta algumas pessoas e elas passam a vida fugindo disso e acabam esquecendo do lado bom que é o amor verdadeiro. Ótimo texto!

    ResponderExcluir
  5. O ser humano e suas contradições... Queremos sempre que nos gostem como somos e ao mesmo tempo, insistimos para que o outro seja como queremos...
    Parabéns pelo texto, concordo com você, o amor é simples...
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  6. Oi Paolla,

    Muito interessante a construção, adoro quando as pessoas colocam pontos de reflexão sem dar muitas voltas, ler um texto como esse, faz meu peito se encher de felicidade, pois me vejo nesse caminho, parágrafo a parágrafo, valeu o ato de nos demonstrar um lado sobre relações, amor, sentimento e respeito... ótimo texto, parabéns!

    Reynaldo Loio

    ResponderExcluir
  7. Excelente!! Gostei!

    E acho que costumamos perder também este foco no respeito próprio...

    []s

    ResponderExcluir
  8. Oi Paolla! Vim retribuir sua visita e seu carinho! Gostei de sua reflexão. Acredito que muitas dores acontecem pela mania que temos de criar expectativas e querer que a outra pessoa as atenda. No entanto, é um exercício refletir sobre isso e não cair na expectativa. Eu mesma continuo aprendendo, errando, aprendendo, errando...e sempre!
    Bom vir aqui, moça!
    bjs

    ResponderExcluir