quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

É Isso Aí, José!



"E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?"

Carlos Drummond de Andrade



Pós carnaval é isso aí José, José-você, que acha que só é feliz quando vai pra balada, festa e micareta todo final de semana. E quem disse que não vai pra balada, festa e micareta todo final de semana não é feliz? Tudo que o mundo precisa é o que tá escrito aí em cima: 'Mais Amor Por Favor'. Amor pelo próximo, pelo teus amigos, pelo teu amor, pela tua família, por você mesmo.

Paolla Milnyczul



Conteúdo protegido por Direitos Autorais.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Reflexão do Mês - Fevereiro


"Amor, saúde e dinheiro persistem como a tríade dos sonhos, mas o século 21 está colocando na prateleira um kit suplementar: independência, auto-estima e bom humor. Adquira-o. A felicidade não depende só do cumprimento de metas vitais, mas também de atitudes mundanas."

Martha Medeiros



domingo, 5 de fevereiro de 2012

Persistência x Perseverança

Persistência: s.f. Ato de persistir; constância; perseverança. Qualidade que dura.
Perseverança: s..f. Qualidade ou ato do que persevera; persistência. Que insiste até alcançar. Firmeza, constância.



Retirado do http://www.pt.wikipedia.org/

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Filtrando Pessoas, Momentos, Lugares...

Acho incrível como as pessoas estão cada vez mais distantes de si mesmas e dos outros, e assim perderam  uma boa parte da educação, do bom senso, da delicadeza, do respeito, do bom trato para com os outros, e, principalmente, quando estão em uma posição de poder que antes não tinham, querem humilhar quem antes chamava de 'amigo'. Pergunto eu, então: porque o poder sobe à cabeça das pessoas? Um cargo mais alto, um salário maior não faz ninguém melhor ou pior que outra pessoa. Somos todos feitos de carne e osso, e o sangue corre pelas mesmas veias.
Trocando em miúdos: impôr a autoridade do cargo é uma coisa – profissional que é profissional separa subordinado de amigo na hora que têm que separar – , e pisar nos outros é outra total e completamente diferente.  Só que – eu sou quieta, na minha, observo mais do que falo e por isso até passo um certo ar de ingenuidade – eu sou esperta, e de besta, sinto muito meu bem, eu não tenho nada (ou quase nada, às vezes é até bom ser bobo, como escreveu Clarice Lispector). E posso até parecer ingênua, mas que culpa tenho eu se eu ouço mais do que falo? Oras, me fizeram com uma boca e dois ouvidos! E sim, eu sou irônica, com muito prazer. E não sei como certas pessoas conseguem dormir à noite.
É que comigo não é assim. É meu amigo, é meu amigo. E se é uma vez, vai ser pra toda a vida, a menos que me deem motivos para cortar laços, aí eu corto sem dó e me desapego completamente e sem olhar pra trás. Não é meu amigo, paciência, não sou obrigada a gostar de ninguém – entenda, não gostar não significa não respeitar, eu respeito, só não gosto –, e só sou eu mesma e sorrio com o coração, corpo e espírito com quem me faz bem. Porquê eu tenho um respeito demasiado pelas outros e principalmente por mim mesma, e não me sentiria bem fazendo este tipo de papel. Acho ridículo, e não leva a lugar algum, além de fazer as pessoas tomarem uma antipatia tamanha que sequer querem ouvir o nome ou ter a presença da pessoa por perto.
São coisas que eu não entendo como podem acontecer porquê eu não sou assim, e não vivi isso dentro da minha formação enquanto pessoa humana pois, felizmente, tive uma excelente educação e principalmente aprendi que o que vai um dia volta – clichê sim, mas é verdade. Não sou o tipo de pessoa que acha isso 'normal'. Não é, e pode denotar um certo começo de transtorno mental (será?). Embora eu não seja médica, sou uma ótima observadora. Pode ser "só" egocentrismo exagerado. Ou mau caratismo. Em geral é mau caratismo – infelizmente! E caráter é coisa que se forma, a vida ensina a ter bom caráter e a separar o joio do trigo, aprende quem quer.
Acredito que certas coisas acontecem  e certas pessoas filhas da puta de sangue ruim duas caras aparecem na nossa vida pra gente aprender a filtrar. Filtrar pessoas, 'amigos', o que se ouve, o que se vê, o que se lê, filtrar emoções. E ter em nossa vida só o que e quem te faz bem, e aprender a valorizá-las, pois nem sempre na vida nós vamos ter o que queremos e o que nos faz bem – e é ai que a gente (re)começa a filtrar. É, minha gente, isso todos nós temos que aprender.
A cada dia vivo; a cada dia aprendo. E não é fácil, mas vale a pena.

Paolla Milnyczul


"Não tenho a ilusão que todo mundo é meu amigo. Só quero ter a certeza de que quem olha nos meus olhos não mente, não trapaceia e não é filho da mãe. Porque tá cheinho de filho da mãe nesse mundo. A gente tem que tomar cuidado e aprender a se defender. Mesmo que doa."  Clarissa Corrêa




Conteúdo protegido por Direitos Autorais.