segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Eu e Meus Extremos

Olha, eu não sei vocês, mas eu não gosto nem um pouco de mais ou menos. E simplesmente não entendo como tem gente que consegue viver mais ou menos, aquela vida sem graça, sem gosto, sem sal nem açúcar.  Gente morna me dá sono, preguiça, tédio e uma certa melancolia, sabe, aquela que leva aquela vida  sem mudar, que se acostuma com o mais ou menos, com o banho-maria, só se deixando levar, sem sentir, sem se jogar, sem se apaixonar, e ao mesmo tempo sem desamar, sem odiar, sem querer não ter, sem ser fria. Só morna, levando uma vida enfadonha, e falando "sim", "não" e "eu acho" pra tudo. Sim, porque geralmente pessoas mornas também não têm opinião. Ah, não dá. Olha, eu não o delta da equação de segundo grau pra ser  + ou - 2 (quem não se lembra desta praga?). Ou sou menos, ou sou mais, meio termo não. Não dá pra ficar em cima do muro, só vendo o que acontece, sem nada fazer. Escolha um lado, eu não vou ficar esperando muito tempo você se decidir, meu tempo é precioso e passa rápido!
Se já se decidiu, acostume-se com as mudanças, porquê sou tão quente que até queimo, ou tão fria que praticamente congelo. E quem tá junto comigo, ou se queima ou vira gelo. Junto. Pois se é pra estar comigo, tem que estar JUNTO, seja amigo, seja família, seja amor, tem que saber me acompanhar, e não é fácil. Se ver que não vai conseguir, que perdeu o fôlego, que doeram as pernas, que te deixei pra trás, e você só viu o rastro de poeira, então nem adianta, só vai se confundir – e muito provavelmente se irritar ao tentar me entender. 
Mas se ver que consegue, vamos lá, corra ao meu lado meu bem, mas eu já aviso, não é fácil conviver comigo. Sou de riso fácil, palhaça, apaixonada, inconsequente, inconstante, instável, aventureira; sou fria, distante, centrada, irônica, cínica, sarcástica, dou chicotada com a minha língua ferina e sou quase ácida. Vario de humor fácil, fico vagando entre um extremo a outro intensamente, tenho um contraste dentro de mim impossível de descrever.
Comigo é 8 ou 80, tudo ou nada, agora ou nunca mais. Não sei porque sou assim. Sou, e ponto. E gosto de ser assim. E não, não irei mudar, já tentei e senti saudade de mim mesma, então, sinto muito quem não gosta do meu jeito de ser – vai ficar sem gostar.
Quando eu amo eu amo muito. Me jogo, mergulho de cabeça, alma, coração, corpo e espírito. Me molho, de camiseta e calça jeans, mas amo tudo que tenho para amar. Mas quando há o desamor, ah, eu sofro, sofro, choro, me descabelo, tomo porres homéricos e quase morro de amor – ou seria de desamor? E depois acaba. Assim como começou. Do nada. O que não significa que irei esquecer. Não é isso, só não sinto mais.
E quando eu preciso sentir – porque sim, há momentos constantes em que eu PRECISO sentir, é um sentimento de urgência – , eu não preciso só sentir, assim, sem mais nem menos. Preciso SENTIR. Sou intensa em tudo que sinto, em tudo que penso, e em tudo que faço há a intensidade e a sensibilidade de SENTIR o que se faz. Seja bom, tão bom a ponto de pular de alegria, ou ruim, tão ruim a ponto de quase morrer.  Dramática? Pois é, às vezes sou assim também.  
‎Se algum dia alguém que eu quero muito vier até mim e falar "Eu te dou metade. Metade do meu amor, metade da minha amizade" eu responderei "Não, obrigada, pois não sei dar nem receber metades, comigo não há meios termos nem meias palavras. Jamais serei sua meia-amiga ou seu meio-amor. Sou feita de inteiros. E da mesma maneira que me dou inteira, é o que quero receber. Eu sou inteira e não quero alguém que me complete. Quero alguém que siga comigo para o que der e vier.".
Vida morna não combina comigo. Simples assim.
Acha fácil? Seja eu por um dia, por uma semana, por um mês. Mas me devolva inteira, por favor. Sem metades.  

Paolla Milnyczul


 Trilha Sonora: 'London, London', e a voz rouca de Paulo Ricardo no meu ouvido.


Conteúdo protegido por Direitos Autorais.

Um comentário:

  1. Nossa, Paolla... Não sei definir ainda a tua escrita, mas achei-a intensamente forte. Adoro pessoas fortes (por mais que se sintam fracas às vezes. Maravilhoso o seu blog. Já salvei nos meus favoritos e já me tornei um seguidor. Muito bom, muito bom mesmo. Parabéns!!!

    ResponderExcluir